Premiere at Matilha Cultural

Share

É Quase Verdade Tem Pré-Estreia no Reduto Alternativo

 
 
E eis que, enfim, nosso pequeno petardo, um média-metragem chamado É Quase Verdade tem sua pré-estreia para equipe, elenco e convidados, na cidade onde ele nasceu, São Paulo. O filme do diretor Emanuel Mendes recebeu a acolhida do pessoal bacana do Matilha Cultural – espaço alternativo da capital paulista (e que, para alguns, chega mesmo a lembrar o Studio 28, o emblemático cinema da rue Tholozé, em Paris) com uma aconchegante sala de cinema – para as primeiras projeções. A data está marcada para o final de julho, e esta será a primeira projeção pública do filme.
 
Vale lembrar que as cópias de É Quase Verdade já estão encaminhadas a alguns dos principais festivais no Brasil, Europa e América Latina em geral. “Estamos muito felizes”, confessa a produtora Bianka Saccoman. “Tivemos muita, mas muita dificuldade em achar um lugar – todos os cinemas que procuramos ou queriam cobrar um preço extorsivo ou não tinham mais espaço para esse tipo de evento (dedicado ao formato) ou simplesmente nos ignoraram mesmo. Até que o Emanuel, em uma reunião com o pessoal da Cinecolor, ouviu o conselho de levar o trabalho para o Matilha”, diz Bianka. “E achamos ser um local mais do que apropriado”, completa.
 
“Eles possuem uma sala de cinema que achamos ser absolutamente condizente com a proposta do É Quase…“, diz A. Nakamura, produtor da Sincronia. “E já exibiram um punhado de filmes alternativos, produções infantis e trabalhos afins. E o que é melhor: em uma área da cidade de São Paulo próxima ao centro e da praça Roosevelt – histórico local de teatros (como Os Satyros e Parlapatões) e boemia”, entusiasma-se o produtor.
 
“O Celso, o Sabão (projecionista do Matilha) e principalmente a Patricia Rabello foram muito bacanas”, conta Nakamura. “Deram apoio total e, só no início, é que nos perguntaram se o filme possuía alguma cena de violência com animais, especialmente cachorros (o lugar é também famoso por promover adoção de caninos). Respondemos que não, que o que havia era uma entrevista com um cachorro, e isso, evidentemente, não se constituiu um problema”, ri Nakamura.
 
Obviamente, não há venda de ingressos, e, mesmo apesar de o Matilha fornecer um release para a imprensa, convidando o público, a sessão será em honra, primeiramente, “à equipe e elenco maravilhosos que tivemos”, finaliza Bianka.